Cadê mamãe? Foi trabalhar

Daí que mamãe foi trabalhar. Comecei no fim da semana passada. É um retorno lento e bem gradual. Tudo para que o Vítor não sinta muita saudade de mim e se acostume com algumas mudanças na rotina dele.

Eu tinha parado de trabalhar logo que soube da minha gravidez. Na época era gerente de marketing de uma agência de imigração em Londres. Estudava inglês de manhã e de tarde minha carga horária era de mais ou menos 4 horas por dia na empresa.

Tinha uma rotina leve, apesar do meu trabalho ser um tanto quanto estressante. Muita coisa para fazer, cobrança, pressão. Quando pedi demissão senti um alívio imenso, pois foi bem na época em que comecei a enjoar todo santo dia. Além disso, tinha um sono absurdo, coisa de recém grávida.

Com o tempo livre (minhas aulas de inglês logo acabaram) pude me atirar de cabeça nessa vida loka de grávida. Curti cada segundinho. Dormi e comi como se não houvesse amanhã. Comprei coisinhas lindas, organizei o quarto, arrumei e desarrumei mil coisas.

Durante exatos 10 meses (parei de trabalhar no fim de agosto) eu pensei, respirei e sonhei com bebê, fralda, parto, amamentação, leite, mamadeira, chupeta e tudo mais que faz parte desse universo bebezístico O TEMPO INTEIRO. Inteirinho. Só e apenas isso.

Porém, comecei a sentir que estava demais. Deu saudade de ser eu, a Ananda, não apenas a mãe do Vítor. Acredito que seja uma síndrome que atinge boa parte das mães. Normal, né?! Digam que sim!

Então que fui atrás e consegui um novo trabalho. Estou super empolgada, pois é algo ao mesmo tempo diferente de tudo que já fiz (é em uma agência de design), mas ao mesmo tempo vou poder usar conhecimentos diversos que trago de outras experiências.

A melhor parte é o horário flexível. Vou poder fazer bastante coisa de casa, mesmo assim optei por dedicar duas tardes exclusivamente ao trabalho, dias nos quais vou ficar na agência.

E o Vítor? Como vai ficar?

Bom, agora nas primeiras semanas ele tem ficado com a minha mãe ou com a minha avó (geralmente com a minha avó, em função dos horários). No entanto, eu já fui visitar algumas escolinhas e achei uma que aceitaria ele inicialmente duas tardes por semana. Fiquei satisfeita com as instalações e é pra lá que ele vai mês que vem. Vou esperar passar julho, pois aqui no Rio Grande do Sul o frio está terrível e tenho medo das malditas doenças de inverno.

E o coração de mãe? Como está?

Eu estou feliz por voltar a trabalhar e pelo jeito que as coisas estão acontecendo (devagar, gradualmente). Claro que quando deixo o Vítor com minha avó fico com o coração apertadinho, mas como são poucas horas procuro deixar isso de lado, afinal… ele está com pessoas que o amam demais e que vão cuidar dele da melhor forma possível.

E a amamentação?

Tento amamentar antes de sair e na volta. De vez em quando ele sente fome no meio disso (depende de quanto tempo fico fora), daí minha avó acaba dando NAN na mamadeira pra ele. Mas quero me organizar melhor pra a partir de semana que vem combinar com a minha avó para que ela me ligue quando ele quiser mamar. Assim consigo sair e ir atender o filhote. Afinal, a casa da minha avó fica perto da agência e assim vai ser melhor pro pequeno.

Vamos ver como vai ser depois, quando ele for para a escolinha. Mas pode deixar que eu volto aqui e conto tudo!

* O sorteio de comemoração dos 6 meses do blog ainda tá valendo. Participe AQUI!

Comentários Facebook

11 comments

  1. Acho que no fundo, nós sofremos mais do que eles! O importante é que todos estejam felizes e de acordo. Sendo assim, pq não!?

    Bjos, boa sorte e nos conte tudo!

    View Comment
  2. Dani

    A vida continua, né Ananda? E vc ainda tem sorte por poder contar com o apoio de sua mãe e de sua avó. Está super bem amparada.

    Sorte no seu novo caminho.
    Beijo

    View Comment
  3. Q legal q eu tenho uma companheira nesse momento!!! Ta certa, Ananda, ser uma boa mãe também é ser uma pessoa completa e feliz!!!

    Boa sorte pra gente, q as nossas horas longe deles passem mto rapidamente!!

    Beijos!

    View Comment
  4. Sim, normalíssimo! Logo que o bebê nasce a gente passa por um período de imersão nesse mundo mesmo. Para algumas passa rápido, para outras demora mais, e outras optam por permanecer nele, vai de cada uma! Apesar de ter voltado a trabalhar porque precisava, voltaria ou arrumaria outra ocupação de qualquer forma – só não sei se tão cedo, na época Bento tinha 5 meses. Continuei amamentando porque a escolinha dele fica em frente ao meu trabalho, ele só entrou no complemento com 8 meses.
    Boa sorte viu? É sim importante resgatarmos outros lados da nossa personalidade – até para fortalecer o lado mãe!
    bjos!

    View Comment
  5. Ai Ananda, estou no mesmo dilema…em outubro acaba minha licença, nao queria voltar, pq ja estava infeliz onde estava trabalhando, mas por outro lado, me sinto tao bem e tao produtiva qdo trabalho que estou sentindo falta disso…entao, acho que volto e em paralelo busco outra coisa..sei la..

    View Comment
  6. Oi Ananda,te entendo completamente.Também sinto uma falta, pequena, mas sinto, do contato com a vida social,outras pessoas, outras responsabilidades.Antes mesmo de engravidar larguei o emprego por causa da faculdade, e eu tenho certeza que não sobreviveria a pressão…rs ainda mais porque eu senti muito sono, foi um custo terminar o sétimo período…rs
    Força na peruca menina, saudade e falta dele claro que você vai sentir,mas vai ser bom retornar ao mercado de trabalho.
    bjos

    View Comment
  7. Leticia

    OI!Pelo visto vc esta super decidida, e isso é o mais importante para deixar o Vitor, na escolinha ou mesmo aos cuidados de alguém.Meu filho vai na escolinha Balão Mágico,vc foi visitar?Ele adora!O principal é vc estar segura de deixa-lo num lugar e confiar nas pessoas que vão cuidar dele.Isso vai fazer com que ele também fique bem tranquilo.A saudade vai apertar durante o dia…mas isso é controlavel…..boa sorte!

    View Comment
  8. janaina machado

    Oi Ananda,eu volto pro trabalho no inicio do mes que vem,mas to com o coração super apertado,não quero deixar o meu pequeno agora,muito menos em escolinha,aqui perto da minha casa nao tem nenhuma legal e perto do meu trabalho são muito caras,enfim é um dilema.Te admiro muito pela tua postura em relação a isso,quem me dera encarar as coisas assim.Eu to pensando seriamente em parar de trabalhar por enquanto,dar um tempo pra cuidar melhor dele ,,sei lá…Só sei que isso tem me tirado o sono.BJS

    View Comment
  9. Pingback: 3 meses | projeto de mãe

  10. Pingback: O fim das férias | projeto de mãe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *