Teoria sobre casamento depois do bebê

Tenho uma teoria de que o casamento que sobrevive à gravidez, aos 3 primeiros meses do bebê e às crises de (complete conforme experiência pessoal, algumas alternativas: cólica, otite, nascimento dos dentes) tem tudo para ser eterno. O pensamento é baseado nas seguintes situações:

Gravidez: dividida em três momentos distintos.

– Primeiro trimestre: crise inicial. Vamos ter um bebê? Vamos ter um bebê! Vamos ter um bebê. Vômitos.

– Segundo trimestre: crise intermediária. Vou ficar gorda. Meu peito vai cair. Aparecimento das primeiras estrias. As roupas não servem mais. Vontade de comer o mundo.

– Terceiro trimestre: mais crise. Tenho que arrumar tudo. Mil compras. Mil loucuras com o chá do bebê. Pé de elefante. Rosto inchado. Quando vai nascer? Como vai ser o parto? Nova crise. O bebê não quer nascer. Azia. Falta posição para dormir. Ansiedade.

Bebê em casa: vontade de matar cada visita que chega. Choro indecifrável. Sono constante. (des)Entendimento com a amamentação. Baby blues. Noites sem dormir. Casa bagunçada. Crise. Sou mãe, e agora? Nunca mais vou ter um segundo de paz?

Crises: caos!

* Post com alto teor de verdade e viagens de uma mente confusa após trezentas horas tentando de TU-DO para fazer um bebê com febre e dentes superiores chegando dormir. Mas sim, amiga, se o teu marido/noivo/namorado/namorido/ficante/peguete vulgo pai do teu filho aguentou firme toda tempestade emocional relatada provavelmente é porque te ama MUITO.

Comentários Facebook

11 comments

  1. Hahaha eu fiquei insuportável na gravidez. Não sei como o Edu agüentou mesmo. Só pode ser muito amor mesmo! E mais, tive enjôo : dele! Tadinho! Concordo com a teoria, se sobreviveu a tudo isso: vai ser pra sempre!!! Eeeeee Feliz Natal!!!! bjoooo

    View Comment
  2. Leticia

    A mais pura verdade querida. Mesmo na minha segunda gravidez passa isso tudo denovo na nossa cabeça, e as vezes ainda tem neuras que é em dobro, tipo: aumento de peso, falta de tempo para arrrumar a casa, dar atenção para marido, filho e mais um bebe…..nossa; é muita coisa para uma pessoa só que quer fazer tudo……Beijos

    View Comment
  3. Ai, também fiquei insuportável grávida. Acho até que me aguentar grávida foi muito mais difícil para o marido do que qualquer cólica ou dente nascendo no pequeno. Um horror. Agora prova de amor vai ser quando eu disser que quero o segundo….
    Beijos

    View Comment
  4. Vale lembrar sobre a vida sexual pós chegada do bebê. A mulher nem lembra o que é um pipi – só se o filho tiver um! – enquanto o marido não ve a hora de passar a quarentena. E ânimo, cadê?
    Já vi muitos homens pularem fora da relação por FALTA DE SEXO. sério.

    hahaha

    muito bom.

    Beijos

    View Comment
  5. Luciana

    Tem q amar muito mesmo, amor inabalável, porque senão somos largadas no 1o tri!
    Querida, forca com os dentinhos ai, aqui tbem estamos na luta, são 3 ou 4 de uma vez… Beijao!

    View Comment
  6. Realmente, é uma prova de fogo pra relação – ou vai ou racha! Não consigo pensar numa mudança maior na vida de um casal do que a chegada de um filho. Haja companheirismo!

    Espero que essa fase de dentes novos passe logo. Força!

    Beijos e um ótimo final de ano pra vocês!

    Cecília

    View Comment
  7. Audrey

    Nunca ouvi ou li alguém falar abertamente sobre a dificuldade que é manter o casamento após a chegada da gravidez, do filho. Todos os blogs que leio, falam de forma romântica, encantadora e … irreal! Na verdade, a vida dá uma reviravolta, muda tudo e é muito complicado.
    Adorei a maneira que abordou, comigo foi assim, muito difícil e hoje, posso afirmar que meu marido me ama, pq me aguentar, affffffffff! rsrsrs
    Beijos e parabéns pelo blog!

    View Comment
  8. Pingback: Teoria sobre casamento depois do bebê | Minha Mãe que Disse!

  9. Adorei o post. Um “sacrifício”atrás do outro depois que nasce o pequeno ser.

    Meu caso foi um pouco diferente porque minha filha veio depois de 5 anos de tentativas em vão. Enfim, a Valenthina nasceu, cheia de vida e para nos unir ainda mais, apesar de tudo isso que você falou, noites mal dormidas, ansiedade, cólicas, choro, affff…uma infinidade de coisas, mas estamos aqui, a pequena já com 5 anos, e eu….ai ai ai, não quero outro nunca mais! Amo dormir! rsssss

    View Comment
  10. janaina

    É verdade,muito louco isso.Eu estava num nível de loucura tão grande ,que mandei o marido embora pq ele cogitou sair umas horinhas pra beber com os amigos,kkkkkkkkk. Como assim? Eu aqui embalando e tu na balada(nem era esse o caso)? Ainda bem que ele desistiu da idéia pelo bem da nossa família,kkkkkkkkkkkk

    View Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *