Terrible one, existe?

Vejo em diversos lugares textos sobre a fase do terrible twos. Mas e terrible one? Existe? Olha… aqui em casa sim!

Vítor está um pequeno demo. Não sei como cabe tanta personalidade em um corpinho tão pequeno. Diante de um ataque de fúria as pessoas olham e dizem que puxou por mim, mas abafa.

Ele já teve a fase de brigar após o banho, depois melhorou e agora voltou para estaca -50. Levo uns 20 minutos para vestir a criança e devo emagrecer uns cinco quilos enquanto faço malabarismos para colocar cada peça de roupa.

Mas o que mais me apavora é que agora ele bate nas pessoas. Em mim, no pai, em qualquer criatura que estiver por perto. Bate no rosto da gente, com força, e também puxa o cabelo.

Sem falar nas birras…

O que fazer? Já tentamos as seguintes etapas inúmeras vezes:

– Falar com jeitinho, explicar o que pode e o que não pode e pedir para parar.
– Cantar, dançar, fazer teatrinho e o diabo a quatro.
– Tentar distrair com um brinquedinho.
– Gritar desesperadamente: “Chega”, “Assim é feio” e coisas do gênero.
– Chorar de ódio pensando: “Onde foi que eu errei?”.

Tem dias que me sinto totalmente perdida. Alguém já passou pela mesma fase? Conselhos, pitacos, sugestões?


Não se engane com a minha carinha fofa e meu cabelo riponga!

Comentários Facebook

9 comments

  1. janaina

    Aqui acontece mais ou menos a mesma coisa,a troca de roupa é um horror,ele se debate o tempo inteiro e quando acabo to com uma dor horrível nas costas ,as vezes o pai tem que ajudar pra ser mais rápido.Conversar também tá difícil,ele fica o tempo todo gritando papai,mamãe e quando paramos de falar pra saber o que ele quer ele fica em silencio,é só pra chamar atenção mesmo,tá com mania de jogar as coisas quando ta bravo,joga e faz uma cara de mau,dá até vontade de rir e de vez em quando a bofetada come,daí falamos sério que não pode e fazemos ele pedir desculpas com um beijo e ele malandro que é, bate e já dá beijinho rápido,isso ele aprendeu ligeiro,áh se aprendeu.

    View Comment
  2. Quando meus filhos estavam nessa idade, usei a tática de não dar atenção as birras, pois geralmente são para chamar a atenção e ser o centro das atenções. Quando não damos importância, a tendência é eles se cansarem e diminuirem aos poucos este mal comportamento. Me preocupava mais em dar atenção, estimular e recompensar os bons comportamentos. Não foi fácil não….Comigo, depois de muita paciência… deu certo… vamos ver agora com nossa princesinha que está para chegar se vai funcionar….fica a dica…

    View Comment
  3. Putz, Arthur de 1 ano e 2 meses também está na mesma terrível fase de se vestir. Terrível mesmo. Levo meia hora para colocar roupa naquela criatura que não quer parar, não quer tirar a roupa e depois que tira não quer vestir outra – neste frio danado!
    Já tentei dar brinquedos, mas eles voam para o chão.
    Já tentei cantar, dançar e o diabo a quatro, mas ele fica cada vez mais irritado e começa a dar pontapés.
    Já tentei dar a chupeta ou entreter com as coisas probidas que ele tanto gosta, mas não funciona.
    Ultimamente tenho tentado falar cada vez mais baixo enquanto ele esperneia e grita cada vez mais alto e até tem dado mais certo. Parece que isso o faz perceber que há algo errado e ele começa de acalmar. Vamos ver até quando.
    Tente, quem sabe dá certo?
    Boa sorte pra nós!

    View Comment
  4. Ananda, ele já está vivendo o ano dois, né? Acho que já pode-se considerar que está nos terrible twos. Aqui o drama é a cadeirinha do carro… Uma gritaria que a gente tem vontade de chorar junto.
    x

    View Comment
  5. Pingback: Meu filho morde os coleguinhas | projeto de mãe

  6. Jéssica Becker

    Nossa, não sei se é bom saber que não sou só eu que passo por isso! rsrs
    Gente meu pequeno Samuel, esta TERRIVEL! rsrs
    Bate, grita ate fica vermelho e depois entra em desespero!
    Tem horas que tá todo mundo de SACO BEM CHEIO, e vocês sabem, depois de um dia de trabalho a gente não ta com tanta paciência assim né?! Então lá vem os gritos da mamãe, mas que depois ta toda arrependida, pq a gente sabe que precisamos de muita mas mUIIiiIta paciência mesmo! rsrs
    Chegar em casa e ver aquele anjinho correndo pra te abraçar e depois de um segundo ele querendo te bater, uii isso da medo! é muito cansativo e estressante!
    As vezes fico me perguntando se ele esta estressado, pq não sabe se expressar direitinho, se eu fiz algo errado no modo de ensina-lo!
    Bom adorei o blog, e vou virar uma seguidora! o/

    View Comment
  7. Pingback: Como sobreviver ao terrible 2 | projeto de mãe

  8. Pingback: Terrible one, o retorno (em grande estilo)

  9. Pingback: Terrible 2: lá vamos nós outra vez | Projeto de Mãe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *