Nada de papinhas e sopas: introdução alimentar e BLW

Nas minhas pesquisas e leituras sobre o universo infantil descobri algo novo que me deixou totalmente encantada: o BLW (Baby-Led Weaning), a introdução alimentar guiada pelo bebê. Trata-se de deixar a criança explorar as texturas e os sabores dos alimentos com as próprias mãos, a partir dos 6 meses. O método é uma alternativa às papinhas e sopas, geralmente oferecidas pelo cuidador com uma colher.

Alguns princípios do BLW:

– Amamentação como base: a fase inicial da alimentação, a partir dos 6 meses, consiste em uma experimentação. Assim, o leite materno deve continuar sendo a base alimentar do bebê. O resto é complementar.

– Descoberta da comida: o BLW permite que o bebê utilize o seu desejo de explorar, de experimentar e de imitar as atividades dos outros. Assim, a criança define o ritmo de cada refeição e prepara-se para a transição para os sólidos da forma mais natural possível.

– Experiência completa: bebês que comem sozinhos têm mais do que apenas o sabor do alimento para focar – experimentam também textura, cor, tamanho e forma.

Dicas práticas para começar o BLW:

  1. Coloque o bebê sentado no colo ou em uma cadeira específica.
  2. Ofereça o alimento e deixe o bebê livre para manuseá-lo.
  3. Comece com alimentos fáceis de pegar, como palitos de cenoura.
  4. Faça com que o bebê participe da refeição familiar.
  5. Escolha momentos em que o bebê não esteja cansado ou com fome, para que ele possa se concentrar.
  6. Continue amamentando ou oferecendo a fórmula como antes. O leite ainda é a principal fonte de nutrientes do bebê, até o primeiro ano de vida. Quando ele precisar mamar menos, vai reduzir por si mesmo.
  7. Disponibilize água durante as refeições.
  8. Não apresse ou distraia o bebê enquanto ele estiver lidando com o alimento.
  9. Não coloque comida na boca do bebê e não tente convencê-lo ou forçá-lo a comer mais do que ele quer.

Adaptado do livro Baby-led Weaning: Helping Your Baby to Love Good Food, de Gill Rapley.

Já conheciam o método? O que acharam?

Eu gostei bastante e para mim fez muito sentido. Inclusive, começamos algumas tentativas com a Clara. No próximo post conto mais como está sendo o processo de introdução alimentar aqui em casa.

26 comments

  1. Dani

    Ótimo! hehe! O Fernando já faz isso, pega a comidinha , amassa com a mão , passa nos cabelos , joga no chão ! Isso quando não esfrega em mim ( quer colocar na minha boca , tipo ” experimenta isso aí e vê se isso é comida descente pra eu comer mamãe ” hehe! Mas a gente acha o máximo, agora ele está descobrindo a colher e o garfo …vamos evoluindo!!

    • nandaetges

      A parte de passar nos cabelos e na roupa é um terror, né? Mas enfim, faz parte da descoberta toda! Beijos, Dani 🙂

  2. cristiani

    Sempre deixei meus filhos mais velhos quando eram bebês fazerem esse tipo de coisa,e era recriminada por outras pessoas,por eles fazerem a maior bagunça,inclusive, meu filho virava tudo do seu pratinho fora quando não queria mais e dizia:’Tudo,tudo,mamãe!’ Eu achava o máximo aquilo!
    Com certeza farei o mesmo com minha caçula,ainda mais agora sabendo que é recomendado!

    • nandaetges

      É, nós almoçamos em restaurante e as pessoas às vezes olham assustadas para a bagunça que o Vítor faz. Mas não adianta… A Clara vai pelo mesmo caminho hehe! Beijos!

  3. Acho que é uma introdução alimentar interessante. Eu pessoalmente não cheguei a usar esse método por completo. O Lorenzo tinha autonomia quanto a quantidade, podia pegar as frutinhas e papinhas, mas eu tinha que prestar muita atenção com certos alimentos, para que ele não engasgasse. Boa sorte com a Clara 😉

    • nandaetges

      Então, Marina. Eu também não penso em usar exclusivamente este método. Acho interessante, mas tem vezes que não rola pelo tempo, pela bagunça, pelo local, pela sujeira. Enfim, vamos experimentando, né? Beijos!

    • nandaetges

      Sim! Tbm conheço teu blog e volta e meia apareço por lá! Beijos e obrigada por compartilhar!

  4. Pingback: As aventuras de Clara no mundo comestível | projeto de mãe

  5. Pingback: BLW em imagens | projeto de mãe

  6. Pingback: Introdução alimentar: agora vai | projeto de mãe

  7. Deixo minha nenem sentir as texturas, fazer sujeira, nao me importo com isso. Mas ela não come. E já tem 9 meses. Não sei mais o que fazer e ontem até apelei para a mamadeira. 🙁

  8. Thaynah Leal

    Os pedaços devem ser do tamanho das mãos do bebê ou maiores. E sempre deve haver supervisão do cuidador(a).

    • nandaetges
      Author

      Comecei com legumes como brócolis e cenoura em formato de palito. Já de frutas demos goiaba, maçã e banana. Beijos e boa sorte!

  9. Helen dias

    hehehe amei,mas eu faço assim dou de colherinha o q eu acho q é minimo pra sustentar e ela….ai depois dou na maozinha principalmente as frutinhas e ela faz um lambuso mesmo,quer dar pra eu comer eu finjo q como e ela acha o maximo rsrsrrs

  10. Minha filha tem 7 meses e come todos os legumes, mas quando se trata das frutas é um terror! Devo cortar aa frutinhas e deixa-la comer sozinha também ou existe algum outro método?

  11. Oi Filipe! Aqui eu cortava em pedaços maiores e deixava a Clara experimentar. Aos poucos fui testante diferentes texturas e descobrindo as preferências dela. Por exemplo: banana ela gostava amassada, goiaba e maçã em tiras. O segredo, na minha opinião, é continuar oferecendo e ir sentindo o que tem mais aceitação! Beijos e boa sorte 😉

  12. Pingback: Uma introdução alimentar diferente: relato de Baby Led Weaning | Eco Maternidade

  13. Pingback: Maternidade no Divã | Psicologia, Maternidade e Desenvolvimento infantil

  14. Rosana

    Acho divertido e interessante ver os bebês começarem sua IA, mas método blw é tbm para bebês q ainda não têm dentinhos ? Como eles comem? Ou é só a experimentação e a comida amassadinha vem depois?

    • Ananda Etges
      Author

      Oi Rosana! Pode ser para bebês sem dentes sim. É mais uma experimentação, eles chupam e tiram pedaços puxando com a própria gengiva. Aqui eu alternava. De vez em quando dava só na colher, às vezes deixava comer por conta ou misturava as duas formas. Acredito que o melhor é os pais sentirem o interesse e a interação do bebê, para irem ajustando a IA. Beijos!

  15. Pingback: 5 dicas para iniciar a introdução dos alimentos sólidos na dieta do bebê | Vida Materna

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *