Praia com a família: salve-se quem puder

É preciso coragem para enfrentar uma temporada na praia com a família. Aqui passamos alguns dias com meus avós no apartamento deles no litoral e foi uma experiência no mínimo difícil.

As crianças estavam de férias e com a rotina desregulada pelas festas de final de ano. Quem tem filhos ou trabalha com crianças sabe o quanto a rotina é importante para os pequenos. Não digo uma rotina militar, aqui nunca defendi um esquema fechado. Acredito na flexibilidade, mas num ritmo constante. Por exemplo: o horário pode variar um pouco, mas as tarefas precisam ter uma sequência que faça com que a criança saiba o que vai acontecer a seguir. Isso a deixa segura e tranquila para seguir o mesmo ritmo.

Além da bagunça na rotina, o que dificultou as coisas foi o convívio com pessoas diferentes. Crianças sabem como agir com pai e mãe e sabem que com vô e vó é diferente. No nosso caso, eram os bisavós que estavam junto. Isso resultou que eles, especialmente o Vitor, me enfrentavam e estavam sempre questionando os limites. Seja como estratégia para chamar atenção ou para conseguir o que queriam (até porque avós ou bisavós tendem a “fazer as vontades” das crianças e elas sacam direitinho).

Tudo isso sem falar que era um novo ambiente, sem certos confortos, como TV por assinatura e internet (o YouTube com clipes musicais fez falta). As crianças também não tinham muitos brinquedos disponíveis (levamos apenas alguns) e não tinham o mesmo espaço que em casa (cada um o seu quarto, com a sua cama, seus objetos, etc).

Enfim, são alterações normais e temporárias, mas que dificultam a adaptação inicial. Claro que se ganha por todo um outro lado, no sentido de descobrir novos locais, fazer passeios diferentes, atividades ao ar livre, mais tempo para interação entre pais e filhos. E, sem dúvidas, considerando os aspectos positivos vale a pena. Pelo menos no nosso caso valeu.

As crianças em um passeio com o papai e meus irmãos, o Caio e a Rafa

As crianças em um passeio com o papai e meus irmãos, o Caio e a Rafa

E você, já teve alguma experiência parecida? Toparia repetir ou ficou com trauma?

Comentários Facebook

2 comments

  1. Aline Lima

    que delicia momentos assim e imagino o quanto que foi tenso tb rsrsrs . meu 1°ho levei ele para a praia com 11 meses, ficamos alguns dias no litoral, foi bem tranquilo. Claro com algumas exceçoes, ele engatinhava e nao parava quieto momento algum, e eu ficava atras dele, pois era um ambiente diferente que ele nao estava acostumado e tinha claro perigos a vista por nao ser adequado ao um ambiente de crianças, como nossas casa né kkk dormiu super bem( levei cercadinho) e o melhor foi somente eu o pai, ou seja nao tinha plateia para ele se aparecer kkk. repeti varias vezes . agora com a chegada da segundinha .. ja e outra historia! vamos fazer uma viagem ainda esse mes para o litoral, ja com 2 filhos ja muda a historia né, mais vamos fazer o mesmo esquema que fizemos com o irmaozinho, cercadinho, brinquedos, somente papai mamae e irmaozinho e muita pacienciaaaaaaa .. bjs

    View Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *