Dicas de ouro para educação positiva

Aqui em casa não existe castigo nem cantinho do pensamento. Faz muuuuito tempo que deixamos isso para trás e passamos a ignorar comentários com profecias catastróficas do tipo: “seu filho NUNCA vai obedecer”, “os dois vão virar marginais-drogados-rebeldes-sem-limites” ou “se não educa agora, a vida educa depois”.

Nós acreditamos na educação positiva como caminho para aprendizagem relacionada à limites. Mais do que isso, nos amparamos no respeito aos nossos filhos e procuramos agir sempre com empatia.

***

Ok, discurso lindo e maravilhoso. Mas o que diabos é a educação positiva? Qual o caminho para paz interior e aposentadoria do castigo?

Educação positiva é a valorização dos bons comportamentos. É inverter o jogo.

Por exemplo:

Seu filho não quer comer. O que você diz?

A) Tem que comer para não ficar doente
B) Vamos comer tudo para ficar com muita energia e brincar bastante

Com certeza a frase B vai passar uma mensagem muito mais empolgante e motivadora. Assim, tem mais chances de incentivar a criança e chegar ao objetivo: fazer com que ela coma.

***

Agora que você já sabe o que é educação positiva, confira algumas dicas de ouro para colocar em prática:

– Dê opções: seu filho não quer colocar determinada roupa? Deseja um lanche diferente do que você ofereceu? Que tal oferecer duas opções para que ele possa escolher e exercitar a autonomia? Com certeza isso vai ajudar a minimizar conflitos, além de fazer com que a criança sinta-se confiante e valorizada.

– Elogie: todo mundo gosta de ser elogiado. Valorize as pequenas conquistas das crianças e as incentive a fazer o mesmo. Lembre-se: gentileza gera gentileza.

– Respire: 99% das vezes que eu acabo explodindo com as crianças não é por algo que elas aprontaram, mas sim por algum fator externo, como problema pessoal ou profissional. Por isso, sempre tento parar e respirar. É o primeiro passo para pensar no que realmente está me incomodando e em como agir sem descontar em quem não merece, no caso, os filhos.

– Seja sincero: teve um dia ruim? Fez algo que não devia? Errou ou se enganou? Abra o seu coração. Confie no seu filho e fale, de forma simples e que ele compreenda, o que está acontecendo. Você vai se surpreender com a acolhida que pode receber de um pedacinho de gente.

– Escolha as suas batalhas: a criança quer colocar o chinelo virado e você já falou mil vezes que não é assim. Quer saber? Relaxa. Escolha as brigas que valem a pena, para evitar desgaste e estresse por qualquer coisinha.

– Evite conflitos: lugares cheios são um convite para as famosas birras. Se a criança está com fome ou sono então… a chance de um barraco fenomenal é grande. Por isso, procure conhecer seu filho e identificar o que pode gerar crises, para evitar situações-problemas.
***

Falei bonito, né? No entanto, vou dizer que na prática o negócio não é tão simples assim.

Exige paciência e saliva, ah, muita saliva. A gente fala, fala, fala. Releva, explica, conversa. Um exercício diário de conhecimento. Conhecimento próprio e dos nossos filhos.

Nem sempre funciona. Nem tudo são flores e tem vezes que rola um grito aqui, um grito lá. Tem dias que é difícil, extremamente difícil.

Mas olha, os resultados aparecem. E quando ouvimos um “muito obrigada, mãe”, “você foi gentil”, “estou orgulhoso” de um ser com menos de um metro de altura quer dizer que de alguma forma estamos acertando. E isso enche o coração de alegria e conforto. Afinal, ninguém disse que seria fácil. Mas recompensador… ah, isso já tinham me avisado!

ProjetoDeMae_Foto_45

Minha maior motivação para ser a cada dia melhor. Para mim e para eles.

Comentários Facebook

2 comments

  1. Oi Marina! E se quando ele fizer isso tu pegar um balde e falar: "vamos jogar basquete no balde?". Assim, talvez consiga mudar o foco e já dar início a uma brincadeira! De vez em quando eu uso a estratégia de "me fazer de louca" hehe. Funciona! Ontem, por exemplo, o Vítor arrancou um brinquedo da mão da Clara. Eu comecei a cantar uma música bem exagerada e fazer cócegas nele, cantando "Não pode arrancar as coisas da irmãzinhaAAAAA". Hehehe. Ele deu risada e esqueceu o brinquedo! Beijos!

    View Comment
  2. Pingback: Semáforo do comportamento e educação positiva | Projeto de Mãe

  3. Pingback: Sobre autonomia e infância: quando os resultados começam a aparecer | Projeto de Mãe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *