4 dicas para o equilíbrio na relação entre crianças e tecnologias

Sempre procurei refletir sobre a relação entre crianças e tecnologias. Eu tenho que me vigiar para não estar colada no celular e checando notificações de 5 em 5 minutos. O Fábio não é tanto da internet e das redes sociais, mas gosta de games. Então, na nossa casa, era praticamente inevitável o contato das crianças com o universo tecnológico ainda na infância.

A Clara, que está com 3 anos, gosta de ver vídeos no YouTube e jogar em alguns apps. Já o Vítor, 4 anos, adora os vídeos unboxing, que, aliás, eu nem sequer sabia que existiam. Para resumir: são vídeos de pessoas abrindo produtos e falando sobre eles. O Vítor assiste de brinquedos. Sou meio contra, principalmente pelo estímulo ao consumo. No entanto, tento flexibilizar e deixo ele assistir de vez em quando. Além disso, por acompanhar o Fábio no videogame, o pequeno ficou interessado e começou a jogar com o pai alguns meses atrás.

Na minha opinião, proibir o contato das crianças com a tecnologia não é o caminho. Procuro equilibrar e acompanhar o envolvimento deles na web ou nos games.

O que me chamou a atenção, especialmente em relação ao videogame, é em como ele é viciante. O Vítor adora jogar e tivemos que criar regras, pois se deixássemos ele jogaria o tempo todo. Isso aconteceu muito rápido, quase sem a gente perceber. Por isso, confira 4 dicas que eu daria com base na nossa experiência para o equilíbrio na relação entre crianças e tecnologias:

1 – Não deixe o celular ou tablet que a criança tem permissão para usar visível ou ao livre alcance, justamente para não se tornar algo habitual.

2 – Controle o tempo que a criança passa jogando ou assistindo vídeos. Uma dica para evitar briga na hora de desligar é usar a tática dos 5 minutinhos. Aqui em casa é infalível! Saiba mais AQUI.

3 – Se necessário, crie regras mais específicas. Com o Vítor, por exemplo, autorizamos o videogame um dia sim, um dia não. Ele sabe direitinho o dia “de jogar” e no dia não permitido nem insiste. Tivemos que fazer isso para controlar um pouco mais, pois como disse acima, ele ama jogar.

crianca_videogame4 – Participe junto. Pesquise apps, indique vídeos e participe do momento com a criança. Não deixe a hora “tecnológica” ser um momento de “hipnose” absoluto.

E por aí, como é a relação crianças x tecnologias? Vocês controlam o acesso? Possuem regras?

Compartilhem comigo, pois pelo jeito a fase está só começando!

Comentários Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *