Como fazer para alugar um flat em Londres

Nanda_ProjetoLondres3Uma das preocupações agora na reta final antes da nossa viagem para Londres era em relação ao local onde iríamos morar. Digo era porque enfim temos um cantinho para chamar de nosso! Então, deixou de ser uma preocupação para ser um alívio.

O Fábio estava desde abril na casa do irmão dele. Ele aproveitou a hospedagem para economizar uma grana enquanto se estabilizava. Mas como chegamos no início de agosto, julho era o mês previsto para procurar uma casa ou flat para alugar.

Começamos nossa busca pela internet, através principalmente do site OpenRent, que reúne aluguéis direto com landlords, e do Zoopla, que é uma busca que passa por imobiliárias.

Mas o que é landlord? É alguém que aluga um espaço, o locatário, digamos assim.

Nossos critérios de busca podem ter dificultado um pouco o processo. Temos crianças e cachorro. Além disso, estávamos delimitando a área de busca no sul de Londres para achar algo perto do meu cunhado.

Nossa preferência era por casa com quintal, mas não tínhamos isso como obrigatório. Além disso, queríamos 2 quartos para equilibrar um espaço ok com as crianças e um valor que não comprometesse nossa renda mensal.

A partir do que delimitamos, fomos para os sites. E como foi difícil! Não por não acharmos nada conforme a nossa busca, mas por N fatores, como:

  • Os imóveis giram super rápido, então você pode achar algo perfeito que não está mais disponível.
  • Os aluguéis em Londres são mega caros, então muitas vezes encontrávamos algo ideal, mas com valor impossível de bancar.
  • A parte de documentação para alugar, mesmo direto com um landlord, pode ser extremamente burocrática (comprovação de renda, referências, etc).

O tempo foi passando e como nada estava rolando bateu um certo desespero! Fábio começou a ir pessoalmente em imobiliárias, mesmo assim sempre aparecia um problema, ou o imóvel não era legal, ou era caro, ou pediu uma renda alta demais, ou implicava com as crianças, ou não aceitava cachorros. Sempre tinha um porém.

DSC_0022

Depois disso tudo eu só queria era um canto pra chamar de meu

Chegamos a cogitar reservar algo pelo Airbnb, site de aluguéis de temporada, para ter um espaço inicial no primeiro mês e continuar as buscas. Mas eu bati pé pro Fábio e disse que não queria. Tem 3 meses que estamos na maior função, com mala pra lá e pra cá, muita coisa improvisada. Meu principal desejo era chegar e ter um canto para sossegar.

Então resolvemos abrir mais as nossas buscas e procurar algo em outras regiões. Ser perto do meu cunhado seria ótimo, mas se não fava rolando… paciência.

Começamos a procurar imóveis mais ao norte, perto do local em que moramos em 2010. Detalhe: o Fábio estava num treinamento em uma empresa e após os primeiros meses de trabalho seria transferido para uma sede no sul de Londres. Morando ao norte, ele teria que atravessar a cidade diariamente. Era algo super negativo, mas enfim. Desespero mode on.

Acontece que achamos um flat bacana de 2 quartos mais ao norte e foi dando tudo certo. Fábio logo agendou uma visita, curtiu o lugar e já começou as negociações com o landlord.

O landlord nos colocou em contato com uma empresa que verifica referências e aí começou o balde de água fria. Por eu estar no Brasil, não ter emprego em Londres ainda e dizer que trabalharia home office rolou uma complicação.

Primeiro por ser imigrante. Tive que mandar visto e comprovar certinho que estava indo para morar legalmente em UK. Depois a questão financeira. Mandei meus contracheques do Brasil, meus extratos bancários e tive que explicar tudo com mil detalhes para o landlord se convencer que éramos confiáveis e tínhamos condições de bancar o flat. Ele foi super compreensível e atencioso, o que facilitou um pouco.

O landlord também entrou em contato com os empregadores do Fábio para checar as referências. Foi até o trabalho dele para ver a documentação pessoalmente, o passaporte português.

Depois de tudo isso, que levou cerca de 2 semana, chegamos na fase do contrato. Eu recebi por email, imprimi, assinei, digitalizei e enviei por email. O Fábio fez a parte dele direto lá e pagou o primeiro aluguel e depósito. Agora tudo certo para a mudança dele, dia 1º de agosto. Eis o nosso cantinho (:

apO depósito é um valor referente a 6 semanas de aluguel (em média, depende da negociação) que você paga adiantado ao landlord. O dinheiro é uma espécie de garantia, já que eles não trabalham, pelo menos não que eu saiba, com a relação de fiador, mais comum no Brasil.

E lembram do detalhe que o Fábio iria trabalhar ao sul de Londres? Então, olha como a vida é danada. Esta semana ele recebeu a notícia que já seria transferido. E sabe pra onde? Pro norte, a 3 estações de metrô de distância da casa nova. Nem preciso falar a alegria, né?

O acaso dando uma mãozinha e ensinando a lição. De vez em quando tudo que precisamos é levantar a cabeça, dar uma respirada e abrir um pouco o campo de visão. O destino se encarrega do resto.

Comentários Facebook

4 comments

  1. Pingback: Chegamos em Londres! Primeiras impressões e coisas para não esquecer | Projeto de Mãe

  2. Pingback: Londres: morando com família em Walthamstow Central | Projeto de Mãe

  3. Pingback: Custo de vida em Londres: quanto custa morar na terra da rainha? | Projeto de Mãe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *