Por que mudar de Londres para o interior da Inglaterra?

Acredite: eu sou uma eterna apaixonada por Londres. Cada pedacinho da cidade faz meu coração pular de alegria. As vitrines brilhantes de Oxford Street. As excentricidades de Camden Town. O ar cosmopolita de Liverpool St e os cafés de Victoria.

Desde a primeira vez que pisei na cidade senti uma vibração incrível. E por isso foi muito difícil pensar em mudar de Londres, depois de tanto tempo sonhando em voltar.

Morei em Londres pela primeira vez em 2010, por 7 meses, durante um intercâmbio para estudar inglês. Na cidade conheci o Fábio, engravidei do Vítor, começamos a nossa história como família.

Pisar no Heathrow em 2016 com a vida em 6 malas, pronta para recomeçar, foi inexplicável. Olá, London! Eu voltei!

Nosso ano na cidade foi incrível. Aprendemos, crescemos, descobrimos. Apresentamos nossos lugares favoritos para as crianças, retornamos em restaurantes que costumávamos ir, conhecemos um tanto mais de parques, pracinhas e jardins.

Teve desafio? Com certeza, uma porção deles. Mas coisas previsíveis dentro do pacote mudar de vida e de país com dois filhos embaixo do braço.

Mas Ananda, e por que diabos mudar de Londres? Então, foi um processo lento e, antes de tudo, de convencimento pessoal. Era um abrir-se para a possibilidade, pesquisar opções e avaliar.

Por meses navegamos em sites de aluguel pesquisando valores, comparando casas e analisando dados de diferentes cidades, como taxas de criminalidade, melhores e piores regiões, etc.

Afinal, a decisão por mudar de Londres partiu do custo de vida. É muito caro morar em Londres! Morar especificamente, pois os aluguéis são inacreditáveis.

Confira também:
Custo de vida em Londres: quanto custa morar na terra da rainha?

Estávamos em um flat confortável, mas pequeno para dois adultos, duas crianças e um cachorro. Sentíamos falta de um jardim e mais espaço.

A verdade é que trabalhávamos muito para segurar as contas, especialmente de moradia. Estávamos ambos, eu e o Fábio, cansados e esgotados. Rotina corrida, sem tempo para as crianças, sem disponibilidade para explorar o melhor da cidade que amamos tanto.

A gente se deu conta que nossa mudança era justamente para ter mais qualidade de vida. Mas que qualidade de vida estávamos tendo ali? Tudo bem que nos sentíamos seguros (comparando com o Brasil um ponto super importante) e tínhamos inúmeras possibilidades de lazer e cultura (muita coisa de graça, inclusive). Mas naquele momento não era suficiente.

Tudo bem que provavelmente com o tempo as coisas iriam melhorar profissionalmente e, de forma automática, na esfera financeira. No entanto ponderando tudo na balança decidimos arriscar.

Então a vida colocou Liverpool diante da gente. Uma opção no início descartada por ser longe demais de Londres (pouco mais de 2h de trem e quase 5h de carro), porém com muitas opções de casas grandes e novas por um preço dentro que estávamos buscando.

A questão da distância de Londres foi justamente analisada de novo quando uma amiga querida me perguntou: “Mas por que vocês precisam estar perto de Londres?”. Eu não sabia responder de forma prática. Pelo lado emocional era uma certa resistência minha, que consegui superar quando visitei a cidade com as crianças para conhecer algumas casas.

Ali eu me convenci e tudo foi se encaixando. Casa, mudança, móveis, contrato, trabalho. Agora tem quase 2 meses que estamos na cidade e já posso dizer que estou em “casa”. Sinto falta de Londres? Sim, eu sinto. Mas não de morar em Londres. Poder programar uma visita vez ou outra já me deixa feliz!

Nos próximos posts conto mais sobre a mudança e tenho algumas dicas sobre o assunto.

Comentários Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *