7 atitudes que levam ao divórcio

De acordo com o IBGE, 1/3 dos casamentos acabam em divórcio no Brasil, esse número não é tão diferente ao redor do mundo. 
7 atitudes que levam ao divórcioPensando nisso é que resolvemos divulgar este texto contendo as principais causas do divórcio, recomendo que você leia e reflita se está errando em alguns destes pontos, pois é indiscutível que o divórcio não é bom.
O divórcio traz muitas consequências, dentre elas, as principais são: familiar (toda a família sofre) psicológica (muitas vezes as emoções ficam abaladas após o divórcio, afetam até o desenvolvimento dos filhos) e financeira (terá custos com tribunais, com os advogados de família e com valores de pensão alimentícia, para os filhos e as vezes para o cônjuge necessitado).
Neste texto serão abordados os tópicos abaixo:
  • Casos extraconjugais
  • Incompatibilidade financeira
  • Abuso físico ou emocional
  • Falta de sinceridade
  • Ciúmes e insegurança
  • A necessidade compulsiva de controle do cônjuge
  • Interferência dos sogros na vida conjugal

1. Casos extraconjugais

Os casos extraconjugais são responsáveis pelo colapso da maioria dos casamentos que terminam em divórcio.
A infidelidade geralmente começa como uma amizade aparentemente inocente, começa como um caso emocional que mais tarde se torna um caso físico.

2. Incompatibilidade financeira

Claramente, dinheiro e estresse parecem andar de mãos dadas para muitos casais. Os problemas financeiros podem ser classificados como uma das maiores causas de divórcio, após a infidelidade, a principal razão para o divórcio.
Tudo, desde diferentes hábitos de gastos e objetivos financeiros, a um cônjuge que ganha consideravelmente mais dinheiro que o outro, causando uma luta pelo poder, pode levar o casamento ao ponto de ruptura.

3. Abuso físico ou emocional

O abuso físico ou emocional é uma triste realidade para alguns casais. Nem sempre decorre do agressor ser uma pessoa “má”; questões emocionais profundas são geralmente responsáveis.
Independentemente do motivo, ninguém deve tolerar abusos e retirar-se do relacionamento com segurança é importante, abuso nunca é lucrativo, principalmente o abuso psicológico de crianças.

4. Falta de sinceridade

Às vezes, a falta de sinceridade, a desonestidade e a mentira se arrastam em um relacionamento por um período de tempo.
Você e seu parceiro convivem com a convivência em prol das crianças, o conforto da familiaridade, da previdência social e das finanças.
Mesmo que um dos parceiros seja desonesto com o outro, o casamento está fadado ao fim.

5. Ciúmes e insegurança

Ao contrário de uma crença comum, o ciúme não é um sinal de amor. Pelo contrário, ciúme e insegurança podem levar a rachaduras no relacionamento e, eventualmente, tornar-se uma das razões do divórcio.
O ciúme geralmente resulta da falta de auto-estima, instabilidade emocional, sentimentos de possessividade, inadequação, co-dependência doentia e estilo de apego ansioso.

6. A necessidade compulsiva de controle do cônjuge

A toxicidade decorrente da necessidade de controle entre os parceiros é o motivo pelo qual as pessoas se divorciam, mesmo que tenham um forte vínculo amoroso no início de um relacionamento.
A necessidade compulsiva de se intrometer , isolar um cônjuge dos outros, coagir e controlar um parceiro ditando termos a eles leva ao desagrado e a um sentimento de asfixia entre os casais.
A sede de controle pode deteriorar um relacionamento além do reparo.

7. Interferência dos sogros na vida conjugal

Quando você se casa, a sua família principal passa a ser o seu cônjuge, seu filho e todas as outras pessoas se tornam parentes e quando o casal e os parentes não entendem essa ordem, podem ocorrer consequências e uma delas é o divórcio.
O Youtuber Wendell Carvalho, tem um vídeo espetacular que explica de  forma fantástica este assunto, inclusive, recomendo que você assista para compreender melhor.








Se seus sogros interferem em todas as conversas, decisões e estilos de vida que você e seu parceiro tomam, pode acabar fazendo parte da lista de razões válidas para o divórcio.
É irritante ter alguém lhe dizendo, não importa o quão experiente e sábio eles sejam, sobre como interagir, o que fazer com sua vida e para onde e quando ir.

Considerações finais

Esse não são os únicos motivos que levam ao divórcio, mas, são alguns dos mais frequentes, pense se está errando em alguns destes pontos e corrija enquanto é tempo.
Se você acha que já tomou a decisão, para e reflita mais um pouco, faça as seguintes perguntas antes de tomar uma decisão:
  1. Qual será o impacto em nossos filhos?
  2. Quem mais será afetado por esse divórcio?
  3. Vale a pena trocar o amor por uma paixão?
  4. Fiz tudo o que pude para reparar o casamento?
  5. Serei capaz de evitar os mesmos erros novamente?
  6. Qual é minha intenção em querer um divórcio?
  7. O que vou ganhar e o que vou perder com isso?
  8. Serei mais feliz sem meu parceiro?
  9. Estou preparado para continuar com isso?
Além disso, imagine os custos que terá com o divórcio, nem sempre é possível fazer um divórcio extrajudicial simples, as vezes, o divórcio precisa ser judicial e tem custos altos.
E por fim, uma dica final, dê uma olhada nos vídeos do youtube do Pr Josué Gonçalves e da Psicanalista Clínica Palestrante e Coach de Mulheres Angela Sirino.
Postagem Anterior Próxima Postagem