Malala Yousafzai

Malala Yousafzai, a ativista que sobreviveu ao Talibã

A jovem Malala Yousafzai é uma referência mundial na defesa dos direitos das mulheres e do direito à educação. Ela é conhecida principalmente pela sua luta em prol do direito das meninas frequentarem a escola em áreas controladas pelo grupo Talibã.

Porém, a sua fama e protagonismo na defesa dos direitos das mulheres veio após a jovem paquistanesa sofrer um atentado, quando tinha 15 anos de idade.

O fato aconteceu no ano de 2012 quando Malala estava em um ônibus foi baleado na cabeça pelo Talibã. Felizmente, Malala sobreviveu ao atentado, e o livro escrito por ela que conta a sua história, é best-seller.

No artigo de hoje, vamos conhecer em maiores detalhes a vida de Malala e entender como seu movimento ativista ganhou fama mundial.

Conheça a vida de Malala Yousafzai

Malala nasce em Mingora, a maior cidade do Vale do Swat, que fica na província de Khyber-Pakhtunkhwa, Paquistão. A região sofre há muito tempo com conflitos armados provocados principalmente pela ameaça de grupos radicais islâmicos como a Talibã.

Talibã é o nome de um movimento nacionalista e fundamentalista islâmico que iniciou-se no Paquistão no ano de 1944, e se propaga também para o Afeganistão.

O grupo que já esteve no comando do governo de três quartos do Afeganistão entre os anos de 1996 a 2001, bane muitos direitos civis básicos dos territórios conquistados.

No Vale do Swat, onde Malala residia, o Talibã ordena que muitas escolas públicas encerrem suas atividades. E proíbe o acesso feminino as escolas.

Porém, Malala que é membro de uma família que gerenciava uma rede de escolas no Paquistão, não deixa de frequentar o colégio.

Além disso, Malala passa a escrever com um pseudônimo em um blog para a BBC, Diário de uma Estudante Paquistanesa, onde relata fatos como:

  • A vida cotidiana local durante o regime do Talibã;
  • Tentativas realizadas pelo grupo radical para controlar o vale do Swat;
  • Suas perspectivas para as questões educacionais envolvendo as jovens paquistanesas.

Contudo, no dia 9 de outubro de 2012 Malala é baleada por um membro do grupo do Talibã, dentro do veículo de transporte escolar onde estava junto a outras meninas. O ataque ocorre logo após a estudante sair da escola para retornar para casa.

A luta pela vida e o ativismo em prol dos direitos humanos

Apesar de usar um pseudônimo, o blog de Malala Yousafzai ficou conhecido, e antes de ser baleada ela recebe inúmeras ameaças por redes sociais e até anúncios em jornais. Todos feitos pelo grupo Talibã.

Além disso, Malala falava abertamente sobre sua defesa em prol dos direitos das meninas frequentarem a escola. Portanto, todos esses fatos provocaram a represália do Talibã, e o atentado que deixou a estudante paquistanesa entre a vida e a morte.

Após o atentado Malala recebe socorro e é levada de helicóptero para o hospital militar de Peshawar. Mas, devido a piora do seu estado de saúde foi transferida para Birmingham na Inglaterra.

Como uma recuperação surpreendente, ela passou a residir com a família no Reino Unido, e no ano seguinte discussão na ONU durante o seu aniversário de 16 anos. Na ocasião participou da Assembleia da Juventude na Organização das Nações Unidas realizada na cidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos.

Seu discurso falou sobre a importância da educação como verdadeira arma para mudar o mundo. E dali em diante Malala Yousafzai passa a ser cada vez mais influente como ativista de direitos humanos, direitos civis e direitos das mulheres.

Ela recebeu muito apoio Internacional e, e a própria ou não lançar uma petição que se chama “I am Malala” (Eu Sou Malala) . O documento exigia que todas as crianças do mundo frequentassem a escola até o ano de 2015.

Malala Yousafzai é a pessoa mais jovem a ganhar um prêmio Nobel

O comitê Nobel indica Malala Yousafzai para receber o Prémio Nobel da Paz no ano de 2014, por suas ações em prol dos direitos educacionais femininos e seu ativismo pacífico como um todo.

Ela recebe o prêmio juntamente ao também ativista indiano Kailash Satyarthi, E com isso que torna a pessoa mais jovem da história que já ganhou um prêmio Nobel.

Porém, Malala ganha muitos outros prêmios significativos ao longo de sua trajetória, entre eles:

  • Prémio Nacional da Paz da Juventude (2011);
  • Entra para lista de pessoas mais influentes do mundo do New York Times em 2012;
  • Doutora Honoris Causa pela Universidade de Pádua em 2016 e pela Universidade de Ottawa em 2017.

Malala estudou na universidade de Oxford, onde se forma em 2020 no curso de Filosofia, Política e Econômica.

Obras de Malala Yousafzai

Malala a sua primeira obra em parceria com a jornalista britânica Christina Lamb, intitulada Eu sou Malala: a história da garota que defendeu a educação e foi baleada pelo Talibã. O livro foi publicado em 2013 no Reino Unido e nos Estados Unidos, Conta as recordações da estudante paquistanesa e sua perspectiva do atentado que sofreu.

A autobiografia de Malala rapidamente se tornou um best-seller, e também teve seu lançamento no Brasil, onde conta com mais de 100 mil cópias vendidas.

No ano de 2014, o livro de Malala Yousafzai recebe uma edição infantil que se chama Eu sou Malala: Como uma garota defendeu a educação e mudou o mundo.

Posteriormente, em 2019 ela lança o livro, We Are Displaced: True Stories of Refugee Lives, (Nós Somos Refugiados: Histórias Verdadeiras Vividas por Refugiados), onde fala sobre a situação dos refugiados e inclui histórias vividas por ela e sua família. Além de eventos que aconteceram com pessoas conhecidas.

Todas as suas obras são um sucesso de público e de crítica. E fazem parte da luta de Malala em prol dos ideais que defende.

Concluindo

Malala Yousafzai é uma inspiração para milhares de pessoas, principalmente mulheres, no mundo todo.

Atualmente, no ano de 2021, a Apple anunciou uma parceria com Malala para que ela trabalhe na AppTV+, um serviço de streaming da marca.

Sua atuação se dará sobre diferentes programas, de dramas até comédias. Tudo sempre pautado em sua capacidade de inspirar as pessoas.

Você já conhecia a história de vida de Malala Yousafzai? Compartilhe sua opinião e deixe um comentário!