Precisamos falar sobre mães narcisistas

Que existem pessoas com transtorno de personalidade narcisista muitas pessoas já sabem. Contudo o transtorno pode ganhar outras proporções quando se trata de uma mulher, mãe, pois ele impacta a vida da sociedade de maneira geral, por isso é importante falarmos sobre as mães narcisistas.

O estereótipo de mãe, que até os dias atuais faz as pessoas pensarem em mãe como uma simbologia sagrada, impede que muitos enxerguem as mulheres como pessoas comuns, passíveis de erros e acertos. 

A sobrecarga mental e física sobre as mulheres, sobretudo as mães, também é um fator a ser considerado. 

Talvez se os homens criassem os filhos com a mesma intensidade que as mulheres, o transtorno de personalidade nas mulheres não impactaria tanto a sociedade, porém, como são elas, as mulheres, são as pessoas que passam uma maior quantidade de tempo junto às crianças e jovens, no caso das narcisistas, pode trazer muitos desafios para estas novas vidas que estão adentrando o meio social. 

Isso porque os filhos de mães narcisistas experimentam desde muito cedo sensações incomuns para quem tem pouca idade. 

Assim como qualquer pessoa narcisista, as mães narcisistas preocupam-se primeiramente consigo, segundamente consigo e terceiramente consigo (risos). 

Por isso dentro do universo delas é comum deixar que um bebê chore por horas consecutivas dentro de um berço, enquanto elas cuida de suas questões estéticas, ou que uma criança vá para as escola sem se alimentar porque ela não preparou o almoço, ou mesmo que o filho se sinta inferiorizado em relação a ela. 

Inclusive, criar situações para inferiorizar um ou mais filhos usando como pretexto, justamente, essa ideia de que mãe pode tudo, pois é mãe, “tal qual Maria, mãe de Cristo”, é muito comum dentro de lares com mulheres narcisistas. 

Em casos mais extremos, é possível perceber o transtorno em sua mais pura essência, como no recente caso que ocorreu em Pedro II, no Piauí, em que uma mulher matou a própria filha, por causa da herança deixada pelo pai da filha. O que justificaria o caso se não fosse uma patologia doentia que faz com que uma pessoa se coloque em primeiro lugar em tudo, não poupando sequer a vida da própria filha?

Pessoas que crescem sendo hostilizadas ou presenciando isso, podem normalizar essas práticas e trazendo para a escola, trabalho ou quaisquer outros meios sociais, repetir tais comportamentos, visto que foi o que aprendeu com a mãe. 

E não se engane, assim como existem mães narcisistas, existem também os pais narcisistas, que podem se manifestar de diversas maneiras, a mais comum delas, se ausentando da vida do filho. 

Uma fala pertinente sobre o tema da psicanalista Taryana Rocha ao portal Mais Minas traz reflexão: “Como nunca podem assumir um erro, elas precisam reescrever a realidade o tempo inteiro pra não assumir que elas estavam erradas”.

Principais características de uma pessoa narcisista 

As pessoas que sofrem com transtorno de personalidade narcisista geralmente não frequentam consultórios de psicologia ou psicoterapia, ou quando o fazem conseguem, na maioria das vezes,“burlar” os profissionais. 

Assim como fazem em suas vidas pessoais. É muito difícil que uma pessoa criada por uma mãe narcisista consiga convencer alguém de que ela age de tal maneira dentro de casa, pois na maioria das vezes, elas são ótimas pessoas na rua, com algumas ressalvas, existem casos de pessoas que na falta de vítimas dentro de casa, procuram alguém da rua para descarregar a raiva que sentem de si mesmas e poderem respirar tranquilamente. 

Isso mesmo, o suprimento, alimento das pessoas com narcisismo patológico está em fazer os outros sofrerem, é a forma que encontram para tirar dores que sentem dentro delas mesmas, é como se pensassem “quando o outro sofre, eu me sinto aliviada, pois tiro o sofrimento de dentro de mim e transfiro para os outros”. 

Contudo existem alguns padrões repetitivos nas mães narcisistas observados pelos profissionais da saúde mental, especializados em narcisismo, conheça alguns. 

  • Superestimação de si mesmo;
  • Procura exacerbada por satisfazer às próprias necessidades;
  • Vaidade física excessiva;
  • Falta de empatia;
  • Necessidade de ser o centro das atenções (mesmo que seja negativo) em todos os lugares que frequenta;
  • Muita necessidade de carinho, mas não oferece nada em troca; 
  • Triangulação de relações (coloca umas pessoas contra as outras); 
  • Inveja crônica. 

Tratamento para as mães narcisistas

Infelizmente ainda não existe tratamento farmacêutico para pessoas com narcisismo. Porém a terapia pode ajudar elas a se compreenderem melhor, resultando em um melhor convívio social. 

Sem dúvida fazer com que uma pessoa narcisista reconheça que há algo errado com elas é uma tarefa muito difícil, pois o mais comum de acontecer é elas pensarem que não erram nunca, o que impossibilita intervenções de profissionais da saúde mental. 

Na falta da possibilidade de tratar o narcisista, boa parte dos psicólogos e terapeutas trabalham com a diminuição de danos, tratando as pessoas que convivem com a mãe ou pais narcisistas.

Danos causados aos filhos pelas mães narcisistas

Os danos que mães narcisistas podem causar aos filhos são muitos, o principal deles, a sensação do seu perdido, ou seja, o sentimento de ter vivido uma mentira e ter tido a vida roubada, não se permitindo conhecer a si mesmo, juntamente com suas preferências pessoais, estando até o momento do despertar, vivendo o que a mãe impõe para sua vida. 

Conheça algumas sequelas!

  • Danos físicos (algumas mães chegam à extremos e podem denegrir os filhos fisicamente;
  • Insegurança; 
  • Depressão; 
  • Ansiedade; 
  • Sensação de não merecimento de coisas boas;
  • Sensação de débito junto à mãe; 
  • Sensação de culpa;
  • Agressividade. 

Como os filhos são vistos 

Psicólogos também identificaram um outro padrão frequente em lares com mães narcisistas. Ela define os filhos em três categorias, que a psicologia define nomes para melhor identificá-los, como: dourado, bode expiatório e o invisível. 

Conheça a função de cada um dentro da problemática vida da narcisista. 

Bode expiatório 

O filho que sofre maus tratos a vida inteira são chamados de “bode expiatório”, fazendo uma referência ao dia da expiação dos judeus, em que o sacerdote colocava as mãos em cima da cabeça do bode, transferindo para o animal todos os pecados do povo, em seguida sacrificava o animal. A expressão também é usada para se referir a alguém que é condenado por um crime inocentemente.  


Geralmente os filhos tidos como “bodes expiatórios” são os primeiros a se libertarem, pois conhecem a natureza sádica da mãe desde muito cedo.

Filho dourado

O “dourado” é o filho mais estimado da mãe narcisista, em quem ela projeta seus sucessos. Por isso o nome dourado, pois para essa mãe ele é reluzente como o ouro, mas não pelo que ele mesmo é, porém pelo que ela deseja que ele seja, lhe tirando então a possibilidade de ser uma pessoa no mundo, tirando a pessoalidade desse filho e colocando nele todos os seus sonhos e objetivos, moldando essa criança, diferente de educando, para que ela seja quem essa mãe quer. 

É difícil que o filho “dourado” quebre o elo com a mãe, pois ela costuma o proteger de tudo e  todos, até de si mesmo, mas quando descobrem o sofrimento pode ser maior do que em relação ao “bode expiatório”, pois enfim descobre que sua vida toda foi uma grande mentira, e a sensação do “eu roubado” pode ser maior. 

Invisível 

O filho invisível costuma ser o mais negligenciado, as mães narcisistas simplesmente se esquecem de sua existência. São aquelas crianças que ficam muitas horas dentro do quarto jogando videogame ou assistindo TV sozinhas. 

Eles se acostumam com a solidão e quando crescem podem encontrar dificuldades em se relacionar com as pessoas. Sua vida é solitária e vazia de sentimentos. É comumente uma pessoa que não consegue se apegar a ninguém, justamente porque ninguém se apegou a ela. 

Mudança de posição 

É possível que na falta de um filho e no despertar de outro, a mãe narcisista mude as posições dos filhos. Por exemplo, o “bode” é o primeiro a sair de casa, normalmente, então o “dourado”, cansado de ser usado para os objetivos da mãe se recusa a continuar fazendo suas vontades, então esse “novo revoltado” toma o lugar do “bode”, e o invisível finalmente passa a ser validado como filho, ganhando a “promoção” de “dourado”  e deixando de ser invisível para a mãe, o que para ele é um prêmio. 

Ao final todos sofrem, independente da posição. O fato é que essas mães narcisistas, assim como todos os narcisistas, não nasceu para ser mãe. O seu transtorno torna a família disfuncional e pode fazer com que os filhos, devido a tanto sofrimento, que ela mesma pode ter passado na infância, possa se tornar futuros pais narcisistas, criando assim um ciclo hereditário dentro da família.  

O distanciamento 

Uma das técnicas mais indicadas pelos terapeutas é o distanciamento de pessoas narcisistas, afinal como conviver com quem te adoece? Principalmente com uma mães narcisistas.

mães narcisistas