Gestação fora do útero: como funciona

Se você nunca ouviu falar de uma gravidez ectópica, é necessário que saiba que esta é uma condição chamada de gestação fora do útero.

O nome vem do fato de que o desenvolvimento embrionário é uma gravidez que ocorre fora da cavidade uterina, principalmente nas trompas de Falópio.

No entanto, a gravidez ectópica também pode ocorrer em outros lugares, como nos ovários ou na cavidade abdominal.

Os ovos fertilizados não seguem a rota normal para o útero, mas na maioria das vezes ficam nas trompas de Falópio, onde se fixam e se desenvolvem.

Segundo o Ministério da Saúde, as gestações ectópicas são mais comuns do que muitos imaginam, afetando cerca de 1% da população feminina a cada ano.

Embora as estatísticas pareçam baixas, essas gestações não são apenas impossíveis, mas podem representar um sério risco para as mulheres.

Portanto, um diagnóstico deve ser feito o mais rápido possível para evitar a ruptura das trompas de falópio e manter a saúde da mulher e a gravidez futura.

A suspeita de gestação fora do útero pode ser confirmada por ultrassonografia e exames de sangue (geralmente medições contínuas dos níveis de beta HCG).

Para entender tudo o que acontece fora do útero onde a gravidez é possível, os problemas e riscos, é necessário esclarecer qual é o curso normal de uma gravidez saudável.

Acompanhe tudo a seguir e confira as principais informações sobre a gestação fora do útero!

Como acontece uma gestação fora do útero?

Todas as gestações começam com a ovulação.

Depois que o folículo cresce e amadurece, ele se rompe e libera um óvulo pronto para a fertilização.

Lá, o óvulo é detectado pela sonda e pode ser fertilizado por cerca de 24 horas (janela de fertilização).

Se uma mulher tiver relações sexuais desprotegidas durante este período, o esperma pode fertilizar o óvulo e iniciar uma nova vida fundindo os dois gâmetas (óvulo e esperma).

Durante a fertilização, o zigoto carrega lentamente as trompas de falópio para o útero, onde é transplantado para o endométrio, crescendo assim de forma saudável.

Desta forma, se o óvulo fertilizado não atinge o útero e se liga às trompas de Falópio, a gravidez é considerada ectópica.

Quais são as razões da gravidez fora do útero?

Todas as mulheres correm o risco de ter uma gravidez fora do útero.

Aliás, existem alguns fatores que podem fazer com que isso se torne mais comum.

Por exemplo, se você fez uma cirurgia, ou se tem uma estrutura deformada ou anormal de suas trompas de Falópio;

Tudo isso pode dificultar o transporte do embrião em direção ao útero devido à baixa mobilidade das trompas de Falópio.

Nesse caso, essa mobilidade se deve principalmente ao fato do óvulo ser empurrado para dentro da cavidade uterina.

Devido a essas dificuldades, os embriões fertilizados podem atingir e permanecer no útero, causando uma gravidez ectópica.

Veja abaixo algumas das causas que podem levar a gravidez fora do útero:

1. Inflamação pélvica

A doença inflamatória pélvica é uma síndrome que afeta o sistema reprodutor feminino.

Eles geralmente são transmitidos através de relações sexuais desprotegidas com um parceiro infectado.

2. Cirurgia abdominal anterior

A gestação fora do útero também pode ser causada por cirurgia abdominal ou pélvica anterior, causando aderências, afetando a mobilidade das trompas de Falópio e causando uma obstrução.

3. Endometriose

Mulheres com histórico de endometriose também são mais propensas a desenvolver uma gravidez ectópica.

4. DIU-dispositivo intrauterino

O DIU é um ótimo método contraceptivo e raramente falha, mas quando uma mulher que usa DIU engravida, é mais provável que ela tenha uma gravidez ectópica.

Isso ocorre porque o DIU pode limitar a mobilidade das trompas de falópio e dificultar a entrada do embrião no útero.

Além dessas causas mencionadas acima, existem outras que podem causar a gestação fora do útero e prejudicar a gravidez de alguma forma.

Post anterior: Gestação nas trompas

Gestação fora do útero