Autismo em meninas – veja como identificar e tire as suas dúvidas

O autismo em meninas é um quinto menor do que o autismo em meninos. Além disso, os sintomas do Transtorno do Espectro Autista (TEA) não se manifestam da mesma forma nas meninas.

Como consequência, o autismo nas meninas e mulheres pode ser mais difícil de identificar. Especialmente nos casos de graus mais leves do TEA.

No artigo de hoje vamos entender melhor o autismo nas meninas e conferir como identificar. Então, continue vendo e tire suas dúvidas.

Importante: as informações deste artigo não substituem o diagnóstico médico. Se você suspeita que sua filha tem autismo, leve-a ao pediatra para uma consulta e se informe melhor.

O que é autismo?

O Transtorno do Espectro Autista -TEA se caracteriza por um conjunto de perturbações neurológicas. Essas perturbações afetam principalmente a interação social dos autistas. 

Essas perturbações se manifestam de diferentes formas ao longo do desenvolvimento da criança. Mas, podemos sintetizar três características principais do TEA, como segue: 

  • Comportamentos repetitivos e restritivos;
  • Dificuldade de interagir socialmente;
  • Graves entraves para se comunicar.

Essas características normalmente são mais fáceis de visualizar nos meninos. Além de ser e muito mais perceptíveis nos graus elevados do TEA.

Portanto, para identificar o autismo em meninas é preciso prestar atenção em algumas características especiais. Como vamos ver a seguir.

Como se manifesta o autismo em meninas?

As meninas possuem uma maior capacidade de interação social. Isso porque, o cérebro feminino consegue lidar melhor com as interações sociais. 

Além disso, as meninas são ótimas em imitar o comportamento de outras meninas da mesma idade. O que contribui para que a dificuldade de interação social e de comunicação seja amenizada.

O resultado disso é que muitas vezes as meninas com autismo leve parecem ser apenas um pouco mais retraídas e tímidas. No entanto, aparentemente parecem lidar bem interações sociais.

A dificuldade de interação social da menina faz com que muitas vezes ela rejeite o toque e o carinho de outras pessoas. Mas, muitos pais consideram isso normal em meninas.

Esses fatores tornam mais difícil de identificar o autismo leve em garotas. Para completar, as meninas autistas exibem menos comportamentos repetitivos e restritivos.

Sinais do autismo em meninas

Meninas com autismo leve muitas vezes acabam tendo diagnóstico tardio. Porque, até os comportamentos repetitivos da criança podem passar despercebidos.

Por exemplo, quando a menina tira e coloca a roupa da boneca diversas vezes sem parar. Ou penteia os cabelos da boneca repetidas vezes. Pois como as meninas são mais calmas, esses comportamentos repetitivos passam despercebidos.

No entanto, existem alguns sinais que ajudam a identificar o autismo precoce nas meninas, como segue:

  • Uma menina com autismo normalmente parece mais inocente do que outras meninas da sua idade;
  • As meninas autistas evitam se expor;
  • Não conseguem compreender piadas com duplo sentido;
  • Possuem uma vasta imaginação;
  • Tem tendência a serem mais passivas e tímidas;
  • Sente-se seguras com a rotina;
  • Possuem dificuldades em lidar com mudanças.

É importante destacar ainda que as meninas autistas possuem maior propensão a desenvolver depressão. Além de transtornos alimentares e ansiedade. 

Lembre-se que esse artigo não substituiu o parecer médico. Leve sua filha ao pediatra para se informar melhor se você suspeita que ela tem autismo.

O autismo em meninas também tem seus comportamentos típicos

Com alguma atenção, é possível identificar alguns comportamentos típicos de meninas autistas:

  • Entendem e falam de forma literal;
  • Tem dificuldades em avaliar a reação de um interlocutor na conversa;
  • Não conseguem compreender sutilezas sociais;
  • São menos comunicativas;
  • Apresentam hiperfoco e déficit de atenção;
  • Podem ter dificuldade em falar em público.

Além disso, normalmente as meninas autistas gostam de assuntos de interesses específicos. Entretanto, possuem grande dificuldade em compartilhar seus interesses com qualquer pessoa.

Concluindo

O autismo em meninas não apenas é menos comum, como é mais difícil de identificar de forma precoce. Então, é preciso que os pais estejam atentos aos detalhes dos comportamentos das filhas.

Afinal, a menina com autismo também sofre e não entendem as próprias limitações. O que torna fundamental diagnóstico do transtorno para que ela receba o tratamento adequado.

Mas, não se esqueça, essas informações não substituem a orientação médica. Procure o pediatra da sua filha para uma consulta e se informe o melhor. Dúvidas? Deixe o seu comentário!

Post anterior: Bebês podem comer ovo na introdução alimentar? Entenda!

autismo em meninas