Pitaqueiros anônimos

Grávidas e crianças chamam comentários e questionamentos alheios indesejados de uma maneira inexplicável. Agora, imagina a minha situação com dois bebês. Estou sempre sendo alvo de perguntas (e firulas).

“Que bonitinhos. São teus?”

“Qual a idade deles?”

“Nossa, pouca diferença, né?”

Isso acontece na fila do supermercado, no restaurante durante o almoço, no elevador do prédio do consultório médico. Sempre em momentos em que o único espaço de tempo para resposta é um sorriso amarelo e um balançar afirmativo de cabeça.

Não que eu tenha problemas com pessoas que falem comigo, especialmente sobre os meus filhos. Eu gosto tanto, mas tanto de falar sobre eles que tenho esse blog todinho meu, só para meu mimimi materno.

O que me incomoda é o momento em que esse tipo de conversa com estranhos acontece. Geralmente, é quando estou com pressa ou enrolada com as crianças. Isso sem falar na ousadia das pessoas…

Exemplo clássico: no restaurante. Quem tem o hábito de sair para comer com crianças sabe que elas são imprevisíveis e volta e meia rola uma bagunça básica.

Então, estamos todos na mesa, comendo. Eu ajudando um a comer e o Fábio ajudando o outro. Eis que surge uma pessoa totalmente desconhecida, na maior intimidade, para puxar papo.

“Olha só, estão comendo legumes! Aproveita, mamãe, é por pouco tempo”.

Olho, faço cara simpática, digo “aham” e continuo.

“E esse menino lindo?”, diz a pessoa, referindo-se à Clara. Afinal, estranhos metidos adoram indicar que a minha filha é um menino, pelo fato de não usar brincos.

Nisso, o Vitor tem um ataque de ciúmes pela menção à irmã e começa a dar tapas em mim ou no pai. A pessoa volta-se para ele e diz:

“Não pode bater no papai e na mamãe. O homem do saco vai te pegar”.

Pronto, minha vontade é cuspir fogo, subir na mesa e rodar a baiana, no estilo mais um dia de fúria possível.

Ah, vá.

Como lidar, hein, minha gente?

Comentários Facebook

30 comments

  1. Nunca passei por nada parecido. Amem! Acho que aguentaria uma interveção ou outra, mas se viesse uma maratona desse jeito, eu esconderia a educação embaixo da mesa, tamparia ou ouvidos dos meus filhos e diria algumas palavras não muito educadas, na medida do possível. Porque, né? Paciência tem limite, e tem gente que não se toca!!! E assim colaboro pra que esta pessoa pense duas vezes em incomodar outra mãe.

    View Comment
  2. Sabrina

    Ai Anandaaaaaa..adoro suas postagens..vc tem um humor único!!hahahaha
    O problema que se vc responder o q deveria ser respondido p essas pessoas enxeridas vc vai estar sendo grossa..Infelizmente as pessoas n se tocam q são inconvenientes..Bjus
    OBS: a Dra acha q vc deveria colocar brincos na Clara…haha

    View Comment
  3. Débora

    Eu fico “fula da vida” qdo, por exemplo,dizem assim p/ minha filha: “se não colocar o sapato vai ficar doente e tomar injeção!”.

    Fico tão furiosa, que até ou grossa: “não se assusta criança com injeção, logo vai ter que tomar vacina e berrar, berrar, berrar.”

    Pode isso? Que raiva!!

    View Comment
  4. PQP, essa do homem do saco foi trash! rsrs
    Eu acho complicadérrimo isso tb, mas tenta ignorar! e se não adiantar, bora dar umas respostas atravessadas pra pessoa em questão!
    bjs
    Carol

    View Comment
  5. ALINE

    esse zé povinho, que cuida + da vida dos outros, de que seu proprio fucinho e fogo mesmo kkkk! eu faço uma cara de alface, e dou os ombros!!!!!!! meu esposo finji que nao esta escutando, eu começo a falar com meus filhos tipo* camili acho que vc quer trocar fralda, henrique vc quer beber um suco* e certeiro a pessoa fica taoooo sem graça que vai embora hahah .# pelo menos comigo funciona #
    bjos

    View Comment
    • Julianne

      Sei bem esse sentimento de quando confundem o sexo dos nossos babys.. O pior é que o meu é menino, mas todo mundo pergunta como é o nome dela? que ódio!! Será que são tao desatentos que nao percebem o azul predominante nas roupas? ou tennis all star, ou detalhe de carrinhos? Tudo gente pateta na minha cabeça.. começo a conversar com o dudu pra fingir que nao estou prestando atençao.. Pior é o meu marido que um dia desses fulo da vida, respondeu se passando pelo dudu Isso pq tu ainda não viu o tamanho do meu pintinho!!!

      View Comment
  6. Eu no maior estilo “tô nem aí que tu vai ouvir” quando dizem isso pro Miguel (por que sempre tem alguém que menciona o velho do saco ou diz que algum bicho vai pegar!!!) eu falo olhando pra ele: “Não escuta isso filho que isso é mentira, tá?” e olho bem sonsa para a pessoa e digo: “Educar dá um trabalho, né? Mas eu não minto essas bobagens pra ele pra quando ele crescer não ficar com hábito de mentir também…”. Normalmente em seguida desse meu comentário a pessoa dá um sorriso sem graça, se despede e sai.
    Hahaha, pode até vir dar pitaco pra MIM, mas não para o MEU filho. Vamos nos respeitar, né minha gente?
    Muito bom o post!

    View Comment
  7. Ai, fala sério que tem gente “enxerida” assim! Eu ainda (veja bem: AINDA) não passei por isso, mas me conhcendo do jeito que eu me conheço, acho que eu vestiria minha melhor cara de alface, fingiria que não estava ouvindo e mandaria internamente aquela pessoa à m****.

    View Comment
  8. Leticia

    tenho dois bebes, com diferença visivel de 1 ano.. o que mais me irrita.. e a pergunta ..são gêmeos? nossa vcs não dormem não.. isso pessoas que vc nunca viu na vida.. aff eu ja tenho cara de brava so dou uma olhada torta..srsrs bj

    View Comment
  9. nandaetges

    Também já me perguntaram se a Clara e o Vítor são gêmeos. Isso quando a Clara era RN!!! Não sabia se ria ou chorava hehehe. Beijos!

    View Comment
  10. Rose Herculano

    Nossa,quando você falou dos brincos eu rí!Minha bebê não os usava e eu ainda a vestia com lindas blusinhas AZUIS,para combinar com seus olhos…daí ouvia:é menino?Aff!

    View Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *