Como sobreviver ao terrible 2

O terrible 2 é uma fase do desenvolvimento infantil que ocorre por volta dos 2 anos, mas pode chegar um tanto antes. A criança começa a se descobrir como pessoa, com vontades, desejos e preferências.

A partir disso surgem também as frustrações e podem acontecer birras e escândalos. Tudo é natural, pois a criança ainda é muito pequena para se expressar e saber lidar com tantos novos sentimentos.

CRF_2102

Vítor em um momento “emburrado”

É um momento que exige paciência extra dos pais e muito jogo de cintura. Afinal, cabe aos responsáveis ensinar os pequenos a entender o que pode e o que não pode e os limites em determinadas situações.

É a legítima fase do: “cadê meu bebê calminho que estava aqui?”. Parece que levaram o nosso filho embora e deixaram uma versão bem mais mau humorada do mesmo.

Com o Vítor foi exatamente assim e a situação teve início por volta dos 15 meses. Ele começou a ficar muito bravo quando algo não acontecia conforme queria. Se jogava para trás, batia a cabeça. Teve uma fase que também mordia e batia.

Para deixar o terrible 2 ainda mais intenso rolou o nascimento da Clara, que culminou em muito ciúme. Cheguei a anunciar que nossa casa era um circo, tamanha gritaria.

Mas enfim, aos poucos fomos aprendendo a lidar com as crises e hoje, mais de um ano depois, sinto que sobrevivemos ao momento crítico. Não, o terrible 2 não acabou, mas já está bem mais controlado e tem rolado um cute 2 anos, com fofuras, autonomia e muitas tagarelices.

Mas como fizemos para conseguir sobreviver? Veja o que aprendi com a nossa experiência.

1 – Paciência

Gritar e bater não adianta. A criança não faz birra para manipular os pais. Ela simplesmente está se descobrindo e aprendendo como tudo funciona.

2 – Coloque-se no lugar da criança

É um ótimo exercício. Por exemplo: dias atrás o Vítor correu até o meio da rua. Vinha um carro e o Fábio foi a mil atrás para evitar um acidente. Antes de brigar ou falar qualquer coisa negativa eu pensei: “ele não sabe que pode vir um carro e que isso é perigoso, ele não fez isso para me testar… simplesmente estava brincando de correr porque acha divertido”. Pronto. Achei a chave da situação e aproveitei o momento para dialogar e ensinar que isso não é o correto, que o ideal é ele sempre ficar perto da gente quando caminha na calçada ou na rua.

3 – Evite situações de estresse

O Vítor de vez em quando encrenca quando vou abrir a janela do quarto dele pela manhã. Simplesmente diz que não quer o “sol” e faz escândalo se eu insisto em abrir. Quando me dei conta disso passei a esperar um pouco mais para evitar o estresse. Deixo ele ir para sala tomar café da manhã e abro a janela quando ele não está por perto. Assim, o pequeno nem nota e não “compro” briga.

4 – Olhe pra si

As crianças sentem quando não estamos bem. Geralmente, quando a minha dupla está impossível paro e penso: são eles ou sou eu? Começo a refletir e acabo percebendo que não são eles que estão diferentes, mas eu que estou irritada ou estressada por algum outro motivo. Assim, tento relaxar e deixar tudo de lado quando estou com eles.

Enfim, é um momento difícil, mas que logo passa (mesmo que esse logo dure mais de um ano, como aqui em casa!).

O pior mesmo é pensar que daqui um pouco já vai ser a Clara indo pelo mesmo caminho. Ai ai ai! Só quero ver!

E por aí, já rolou o terrible 2? Como foi ou está sendo? Conta pra gente!

Comentários Facebook

6 comments

  1. Como vc sabe tenho trigêmeas imagina 3 crianças passando por esta fase, uii, como vc aprendi que devemos atacar de frente (ou medir forças), quando as meninas se atacavam eu aumentava o meu tom de voz, ai as meninas gritavam, então minha casa parecia um hospício, então reparei quando falava baixo, elas paravam para escutar, então percebi que quanto mais elas estavam agitadas mais baixo eu falo então elas aos poucos iam se acalmando (pensa como é difícil, mas tem dado certo) outra coisa internamente fico orando para Nossa Senhora me dar sabedoria para contornar as situações que aparecem :).

    Excelente final de semana.
    Tri-beijos Desirée
    http://astrigemeasdemanaus.blogspot.com.br/

    View Comment
  2. Tatiana Carla

    Aqui em casa Duda esta com 1 ano e 10 meses e o terrible two esta daquele jeito! Deita no Chao, rodopia, grita e nao importa se esta em casa ou em espaço público! A indecisäo gira sempre em torno de que attitude tomar. Há 5 minutis ela teve um ataque de fúria pois queria escovar os dentes com talco líquido. Mantive a calma e peguei o creme dental. ELA ROLOU NO TATAME mas entendeu que somente iria escovar se permitisse que EU colocasse algo apropriado na escova….nao o que ela realmente queria…o talco. OUTRAS VIRÄO…..abraços a todos

    View Comment
  3. Pingback: Terrible 2: lá vamos nós outra vez | Projeto de Mãe

  4. Pingback: Sobre autonomia e infância: quando os resultados começam a aparecer | Projeto de Mãe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *