A novela da documentação: parte 1 de muitas – 365 dias para Londres

Nanda_ProjetoLondres3Duas coisas me deixam nervosa e fazem nosso plano de voltar a morar no exterior parecer ainda mais distante: grana e documentação.

Grana pela dificuldade de fazer sobrar alguma coisa no nosso orçamento. Já documentação por toda burocracia envolvida. E vai e vem. E, automaticamente, mais grana. Afinal, ter todos os documentos em mãos vai custar caro.

***

Breve contextualização para quem não está entendendo nada! Eu e o Fábio nos conhecemos em Londres. Viemos para o Brasil quando eu estava grávida do Vítor. Desde então, nunca tiramos da cabeça a possibilidade de voltar para o exterior. Agora que o Vítor e a Clara cresceram um pouco, sentimos que é o momento de fazer tal mudança. Então, decidimos que 2016 será O ano e fiz a série 365 dias para Londres para compartilhar todos os preparativos, nossa organização e coisas relacionadas com o sonho de viver em outro país.

***

Outro parênteses necessário. Depois de tomada a decisão de viajar no próximo ano muuuuuita coisa aconteceu, especialmente no âmbito profissional. Sabe quando a gente escolhe algo e surgem outras oportunidades parece que para testar a nossa convicção? Então, bem isso. De qualquer forma, continuamos com nosso sonho. Só com a preparação para ele ser realidade em um passo um pouco mais lento. Aqui a explicação para eu ter demorado para escrever de novo sobre o assunto.

***

Enfim, voltando para a novela da documentação. Como pode ser tão burocrático? Confesso que chega a dar um desânimo.

Meu sogro nasceu em Portugal, portanto, o Fábio possui cidadania portuguesa. Com isso, as crianças têm direito à nacionalidade portuguesa também, o que facilita a nossa entrada na Europa.

Para colocar toda documentação em dia, começamos pelo básico do básico: RG e CPF do Vítor e da Clara. Depois, o segundo passo foi o Fábio atualizar a documentação portuguesa dele no vice-consulado de Porto Alegre. Informações desencontradas, dúvidas e várias idas ao local até conseguirmos encaminhar.

O prazo para a documentação dele chegar é de até 6 meses. Ou seja, só em janeiro de 2016 teremos a certeza que a parte dele está toda ok. Enquanto isso, estamos juntando os papéis necessários para cidadania dos pequenos.

Problema é que moramos no interior. O vice-consulado fica em Porto Alegre, quase 2 horas da nossa cidade. Além disso, algumas coisas precisam ser validadas em órgãos com sede na capital.

Outra fator que fez com que a gente diminuísse o ritmo para levantar a papelada é o custo. Cada coisinha é um pagamento. Além de envolvimento, pesquisa, tempo em fila, etc.

Então, vamos indo devagar, colocando nosso check list em ordem. Só de saber que começamos a mexer nisso já dá um frio na barriga. Conforme as coisas foram evoluindo vou contando aqui (:

london

Comentários Facebook

2 comments

  1. Pingback: Retificação de documentos: certidão de nascimento e RG | Projeto de Mãe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *