A vida no exterior além das fotos incríveis do Instagram

Nanda_ProjetoLondres3Então que já já vamos completar 1 mês em Londres. As semanas foram longas (#AcabaAgosto) e intensas! Passeamos bastante, curtimos a cidade que escolhemos para viver e amar com os nossos filhos. No entanto, nem tudo são flores na vida no exterior e já diria a poeta (?) que a vida não é um moranguinho, é um abacaxi (ETGES, Ananda). Por isso, queria contar um pouco dos causos que vão além das fotos incríveis do Instagram.

Quando decidimos mudar para Londres nós sabíamos que não seria fácil e que teríamos que abrir mão de muitas coisas, desde chimarrão na casa da vó (sdds bolo da vó) até confortos como carro, ap montado, etc. Também era claro que tudo é um processo e que as coisas levariam um tempo até entrarem nos eixos.

Até aqui nenhuma novidade.

Acontece que existe um abismo gigante entre saber disso tudo e viver isso tudo. Chegamos e a primeira semana foi meio “me belisca que não tô acreditando”. Assim, a emoção inicial mais a saudade do Fábio fez com que os dias fossem aproveitados em uma espécie de êxtase.

IMG_20160828_183050124_HDR

Passada a semana, era hora de começar a criar uma rotina. Só que pensa em uma matemática desgraçada: crianças de férias + home office da mãe + atrasos no trabalho pela função da viagem – internet. O resultado foi muito caos e dias de estresse absoluto.

A terceira semana marcou o momento em que as coisas começaram a entrar num esquema mais ou menos ok. Instalaram a internet, consegui organizar alguns horários para trabalhar e outros para curtir com as crianças. Pronto, tudo se encaixando #SQN.

Sigo sem matrícula confirmada das crianças na escola.
Perdi jobs importantes por motivos diferentes e que não dependiam de mim.
Fechamos o mês catando moedas para comprar comida.
Perdi um cartão de crédito do Brasil.
Aliás, aqui tem um buraco negro que sugou a escova de dente do Vítor, um chinelo da Clara, meu pente e a chave de casa do Fábio.
Perdi meu Oyster (cartão de transporte), mas por sorte refizemos o caminho e o Vítor achou no chão.
Fábio trabalhando horrores.
Eu louca vendo possibilidades e mandando currículos, mas amarrada enquanto as crianças não vão para escola.
Também esgotada por ficar full time com as crianças.
Roupas seguem em malas e sem previsão de grana para comprar armário ou cômoda (pessoas com TOC vão me entender nesse tópico).

via GIPHY

Aqui entra o abismo que falei antes. A gente sabia que ia passar por perrengues. Mas agora que estamos passando eles parecem não ter fim (e certeza que estão só começando).

Tenho a impressão que a vida, muito trolladora, faz isso como uma espécie de teste para ver o quanto a gente quer uma coisa. “Ah, vocês querem vida glamour de morar no exterior e chá das 5 todo dia? Então tá, que tal isso?”.

Ansiosa pela parte da vida no exterior em que a gente fica rico e viaja para um país diferente a cada mês. Será que vai demorar?

via GIPHY

Comentários Facebook

4 comments

  1. Paula

    Ah, esse abismo… Como é fácil esquecermos dele tão rápido! Mas ele também cairá no esquecimento quando tudo estiver nos eixos certos, amiga. É desesperador, mas a vida em Londres vale a pena e eu sei que tu sabe disso. Vamos torcendo aqui por trabalho, escola, armário e calmaria. Vou fazer um call com a Kate pra amiga dar uma ajudinha. 😅

    View Comment
    • Ananda Etges
      Author

      Tu sabe bem o que é isso, né amiga? Passamos juntas por essa sofrência na outra vez. E agiliza esse call com a Kate! Hahaha. Beijo!

      View Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *