Quitar dívidas ou investir

Quitar dívidas ou investir, o que é melhor fazer com o décimo terceiro?

Saiba como usar o benefício a seu favor e melhorar a sua vida financeira

0 13° salário é um benefício garantido pelas leis trabalhistas e muito aguardado pela maioria dos brasileiros. De acordo com dados do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), em 2021 o décimo terceiro salário deve injetar cerca de 232,6 bilhões de reais na economia brasileira, beneficiando cerca de 83 milhões de pessoas no país. 

Com o 13° salário em mãos, o que fazer? Essa é a pergunta que a maioria dos brasileiros deve fazer nesse fim de ano. Com a crise aprofundada pela pandemia de coronavírus e a necessidade de vislumbrar um futuro melhor, muitos ficam na dúvida entre investir ou pagar as dívidas. Qual será a melhor maneira de usar o 13° salário? 

É importante entender se é melhor pagar as dívidas ou investir em reserva de emergência ou previdência privada, por exemplo.

Num país com quase 14 milhões de desempregados e 75% das famílias endividadas, o décimo terceiro salário em 2021 pode ajudar muitos cidadãos a equilibrarem suas situações financeiras. 

Como definir o que fazer com o 13° salário? 

Não há uma fórmula perfeita ou um único caminho favorável para usar o 13° salário, tudo dependendo da situação financeira de cada um.

Aqui neste artigo, vamos apresentar algumas situações e indicar possíveis caminhos que devem ser considerados na hora de escolher o que fazer com o seu benefício. Confira as nossas dicas abaixo:

A taxa de juros dos empréstimos é maior do que os juros de rendimentos em aplicações

Antes de começar a falar sobre situações financeiras específicas, principalmente lembrar de um fator básico: é importante comparar as taxas de juros dos rendimentos de investimentos e de empréstimos. 

E segundo especialistas, as taxas de empréstimos, mesmo em operações com juros mais baixos, são maiores do que os rendimentos de aplicações de renda fixa, que são as escolhidas pela maioria dos brasileiros por ter risco menor. 

Por isso, dependendo de sua situação financeira, provavelmente pagar as dívidas pode ser mais vantajoso do que começar a investir. É importante pensar no presente para poder preparar um caminho melhor para o futuro. 

Tenho dívidas que superam o valor do 13° salário 

Se você está bastante endividado, com débitos que superam o valor do seu 13° salário, talvez esse não seja o melhor momento para quitar os débitos ou tentar uma renegociação da dívida.

O melhor a se fazer é poupar esse dinheiro em uma aplicação de baixo risco e de liquidez diária para usá-lo em um melhor momento. 

Uma boa dica é tirar o dinheiro da sua conta corrente e investir no Tesouro Selic ou em CDBs de liquidez diária. A partir disso, você pode se programar para poupar nos próximos meses, aplicando capital nessa aplicação para quitar as suas dívidas mais a frente. 

Posso zerar minhas dívidas com o 13° salário 

Quem está nessa situação se vê tentado a se livrar das dívidas e essa é a melhor ideia para começar o ano seguinte sem débitos. A dica é buscar renegociar a dívida, por isso não aceite o primeiro acordo. 

Busque o acordo com as melhores condições possíveis, com um ótimo desconto para quitar os débitos. Assim, além de se livrar das dívidas, você pode ficar com uma parte do seu 13° salário para começar a investir, montando uma reserva de emergência, por exemplo. 

Tenho dívidas, mas estão todas em dia

Se você possui dívidas a pagar, mas elas estão em dia e cabem no seu orçamento, o melhor a se fazer com o 13° salário é usar o valor para começar uma reserva de emergência.

Por mais que seja vantajoso reduzir o valor total das dívidas e quitá-las com o benefício, não há necessidade de fazer isto agora. 

Isso não representará um alívio tão grande no seu orçamento e você não terá dinheiro para cobrir imprevistos ao longo do ano, caso precise, tendo provavelmente que pegar um novo empréstimo. 

Não tenho dívidas, mas há pouco espaço no orçamento 

Quem não possui dívidas, mas também não tem espaço para começar a poupar, o melhor a se fazer é investir em uma reserva de emergência. Com o orçamento no limite, você precisa se prevenir contra qualquer imprevisto. 

Dessa forma, você não precisará pegar um empréstimo se algum imprevisto acontecer ao longo do ano. O início do ano traz diversos gastos extras como IPTU e IPVA e com o orçamento apertado, o 13° salário deve focar nesses gastos, por isso crie uma reserva de emergência. 

Não tenho dívidas e já possuo algum dinheiro investido 

Se você já possui investimentos, tem uma reserva de emergência montada e tem uma situação financeira estável, você pode pensar em realizar alguns sonhos de consumo e antecipar dívidas que estão em dia. 

E caso seja de seu interesse, você pode usar o seu 13° salário para realizar novos investimentos, diversificando sua carteira e buscando iniciar novas reservas como abrir uma previdência privada, por exemplo. 

Com essas dicas, você poderá usar o seu 13° salário da melhor forma. Pense no presente para preparar o futuro e avalie sua situação para escolher o melhor destino para o seu benefício.