O retrato do trabalho feminino em Portugal

O retrato do trabalho feminino em Portugal

Nas últimas décadas, o papel da mulher no mundo do trabalho passou por mudanças tremendas. O fato é que, em 2021, o status das mulheres profissionais está longe de ser perfeito.  

Uma análise do trabalho feminino em Portugal mostra que embora homens e mulheres exerçam funções profissionais de mesma responsabilidade, não há uma igualdade salarial nem partem em condições de igualdade.

Em particular, as mulheres estão mais cansadas do que os homens e não recebem bem.

Na verdade, um estudo realizado por economistas do Banco de Portugal concluiu há um ano que não há evidências de que a discriminação de gênero em Portugal na formação salarial tenha diminuído nas últimas três décadas.

Uma análise recente para o quarto trimestre de 2020 concluiu que o salário médio das mulheres que trabalham em Portugal é agora 14% inferior ao dos homens, por exercerem as mesmas profissões.

No entanto, a desigualdade tende a ser maior entre os salários da alta administração, com uma diferença percentual de 26,1%.

Há uma grande diferença de escolaridade entre homens e mulheres em Portugal?

Ao descrever o trabalho das portuguesas, é normal que as mulheres tenham níveis de escolaridade superiores ou iguais aos dos homens, mesmo as que formaram em outro país, na maioria das vezes procuraram validar o diploma em Portugal. No entanto, isso não tem expressão no cotidiano do mundo do trabalho.

Na mesma organização, as mulheres com ensino superior não recebem maior reconhecimento do que os homens, nem têm mais oportunidades de promoção.

Inclusive, mesmo não se podendo negar que nos últimos trinta anos houve um salto na educação das mulheres em Portugal, onde, atualmente, o nível de escolaridade das mulheres é muito superior ao de suas mães.

No entanto, como já vimos, essa mudança no nível de escolaridade das mulheres não foi acompanhada por uma mudança nas atitudes em relação à família e ao controle da casa, o que tem consequências na remuneração das mulheres pelo trabalho.

Consequências da desigualdade salarial feminina em Portugal:

A consequência dos sinais de insatisfação das mulheres com sua vida profissional é, entre outras coisas, menos vontade de ter filhos, diminuição da produtividade, aumento das crises nos relacionamentos, mais divórcios, menos saúde, menor qualidade de vida.

Portanto, pode-se dizer que a igualdade de gênero afeta a todos, inclusive os homens, que aparentemente se beneficiam no curto prazo por serem menos sobrecarregados e mais bem pagos.

Mas também serão vítimas da queda nas taxas de natalidade, do envelhecimento da população e da quebra das estruturas familiares.

Alguns argumentam que uma forma de combater a desigualdade no trabalho doméstico seria entregá-lo aos profissionais, pagando por aqueles que o fazem no âmbito de suas atividades profissionais.

Mas, mais uma vez, ainda cabe às mulheres gerenciar esses especialistas em casa e atribuir tarefas.

Por outro lado, elas são as principais cuidadoras não só dos filhos e da casa, mas de outros familiares em situação de fragilidade ou doença, tarefas difíceis de atribuir a terceiros.

Por todas essas razões, é claro que a desigualdade salarial é apenas a ponta do iceberg de um problema social muito mais profundo.

Pandemia e desigualdade:

Uma consequência da pandemia COVID-19 foi o agravamento e a divulgação de desigualdades de longa data, e as mulheres que trabalham não são exceção.

A pandemia teve, e terá, efeitos de longo prazo na saúde, direitos e liberdades das mulheres.

No entanto, é um tema cada vez mais discutido e que incentiva a criação de novas iniciativas cada vez mais frequentes. Já existem alguns bons exemplos em Portugal.

Existem empresas que protegem o trabalho feminino e a desigualdade de gênero.

Assim, reafirma-se a necessidade urgente de resolver definitivamente o problema da disparidade de gênero no trabalho doméstico entre homens e mulheres.

Uma vez resolvido esse descompasso, serão criadas as condições para que as mulheres também sejam tratadas com igualdade no mundo dos negócios.

Em consequência, espera-se que as mulheres abordem a vida pessoal e profissional de uma forma mais tranquila e agradável.

No entanto, a julgar por esses dados, provavelmente teremos que esperar cerca de cinco gerações para que isso realmente aconteça.

Isso porque na origem do problema estão as questões relacionadas à educação, à forma de abordar o tema desde a infância, em casa ou na escola, e nos conteúdos que nos são veiculados pelos meios de comunicação.